Acupuntura no controle terapêutico da dor de migrânea: relato de caso

Segundo do Ad Hoc Committee on Classification of Headache, de 1962, a Migrânea poderia ser definida da seguinte maneira: “crises de cefaleia, geralmente unilaterais no inicio e associadas a anorexia e ás vezes com náuseas e vômitos”. Migrânea também conhecida como enxaqueca, acomete com mais frequência o sexo feminino, provocando limitação na qualidade de vida, na fase produtiva. De um modo geral, história familiar positiva é obtida em 50% a 60% dos doentes.

Os estudos mostram que aproximadamente metade da susceptibilidade á Migrânea é de origem genética e que a outra metade é determinada por influências ambientais. Organização Mundial de Saúde reconheceu a Acupuntura como uma terapia válida na saúde e satisfatória nos resultados dos tratamentos de diversas modalidades de álgicas. Fatores desencadeantes, tais como: distúrbios do sono, preocupação excessiva e ingestão de alguns alimentos (queijo, chocolate e vinho), são relatados com frequência pelos doentes. A Acupuntura atua fortalecendo o sistema supressor de Dor, através da estimulação aferentes por agulhamentos, em terminações nervosas (pontos de Acupuntura).

Os impulsos são gerados aumentando a liberação de endorfinas e outros neurotrasmissores. Promovendo ação antiálgica, sensação de bem estar e melhora do sono. Relato de caso E. F. D. M., sexo feminino, 44 anos de idade, executiva de vendas, natural de Natal/RN, compareceu ao serviço de saúde queixando-se de cefaleia iniciada aos 18 anos, com crises de enxaqueca com dor localização inicialmente em região occipital esquerda, sempre hemicraniana com intensidade média de 8 na Escala Visual Numérica (EVN).

A paciente iniciou o tratamento semanal com Acupuntura em um total de 30 sessões, nos seguintes pontos: Ig4, Ig11, B 11 e 60, VB34, R3, F3 bilateralmente e Yintang, Dumay. Após terapia a paciente evoluiu com redução da intensidade da Dor para EVN=2, com menor número de crises e duração da sintomatologia.

Fonte: Universidade Potiguar – UnP- Natal/RN-Brasil1,2,3,4 Ana F F Dias1,Valeska M A de Sousa2, Anna B A Medeiros3,Levi H J Junior4