Estudo analisa relação entre a ingestão de polifenol e o diabetes tipo 2

A prevalência de diabete mellitus II (DM-II) está aumentando rapidamente em todo o mundo e quase dobrou desde 1980. Se não tratada, o DM-II pode levar a grandes complicações micro e macrovasculares e, portanto, representa um grande desafio para os sistemas de saúde. A prevenção está parcialmente relacionada a fatores de estilo de vida que podem ser mudados e pode ser alcançada por meio de simples intervenções como, atividade física regular, alimentação saudável, abstendo-se de fumar, mantendo um peso saudável e monitorando pressão arterial e lipídios.

Um componente importante de uma dieta saudável são os alimentos à base de plantas, particularmente aqueles que são ricos em fitoquímicos, como os polifenóis, que podem ser divididos em quatro grupos: flavonoides, ácidos fenólicos, estilbenos e lignanas. Os polifenóis podem ser divididos em quatro grupos: flavonóides, ácidos fenólicos, estilbenos e lignanas. Os flavonoides correspondem ao maior grupo dos polifenóis [flavonóis (cebola, couve, alho poró, brócolis, maça); flavanóis, incluindo flavan-3-ois e proantocianidinas (chá, uvas, cacau), flavanonas (frutas cítricas), flavonas (salsa, salsão), isoflavonas (soja), dihidrochalconas (maçã) antocianidinas (uvas escuras e berries (amora, mirtilo, morango, framboesa, groselha)]. Os ácidos fenólicos são constituintes do café, do chá e da parte externa dos frutos. Os estilbenos estão presentes principalmente no vinho e no amendoim, e lignanas na linhaça e nos cereais. Os polifenóis influenciam o metabolismo da glicose inibindo a absorção de glicose pelo intestino, aumentando a secreção de insulina do pâncreas, melhorando a captação de glicose nas células musculares e adipócitos e suprimindo a liberação de glicose do fígado. Essas ações são críticas na ocorrência, prevenção e manejo do DM-II.

Neste contexto, pesquisadores alemães [Rienks et al., Polyphenol exposure and risk of type 2 diabetes: dose-response meta-analyses and systematic review of prospective cohort studies. Am J Clin Nutr, 2018] desenvolveram um estudo com o objetivo de revisar sistematicamente estudos de coorte e realizar meta-análises dose-resposta para resumir as evidências sobre o efeito da exposição aos polifenóis no risco de DM-II. Para isso, estudos epidemiológicos prospectivos publicados antes de janeiro de 2018 foram revisados.

Após seleção de 18 estudos, os resultados mostraram que quantidades extremas de ingestão de polifenóis foram associados ao menor risco de DM-II (flavonoides, flavonóis, flavan-3-ois, catequinas, antocianidinas, isoflavonas, daidzeína, genisteína e estilbenos). Na meta-análise dose-resposta, associações não-lineares foram observadas para ingestões de polifenóis, flavonoides, flavanonas, antocianidinas, antocianinas e biomarcadores de genisteína. Uma associação dose-resposta linear foi observada apenas para os ácidos fenólicos.

Assim, diante das análises realizadas, o estudo contribuiu para as evidências mostrando que dietas ricas em polifenóis e, particularmente, flavonoides, desempenham um papel na prevenção do DM-II. Para a maioria das associações, foram encontradas evidências de não linearidade, sugerindo que uma quantidade recomendável de ingestão deve minimizar o risco de DM-II. Os autores sugerem que sejam desenvolvidos mais estudos que explorem as associações não lineares identificadas.

Fonte: Universidade de Oxford