Qual é a diferença entre ser deprimido e estar depressivo ? Existe alguma?

Antes de mais nada, há uma diferença grande entre SER e ESTAR. Eu sou branco ou negro ou amarelo, e serei por toda minha vida. Eu estou gripado mas logo passará. SER DEPRIMIDO, quadro crônico, tipo do Transtorno Afetivo Bipolar em suas variantes com tratamento em definitivo com prognóstico reservado. ESTAR DEPRESSIVO, quadro de origem situacional, reativo onde o tratamento tem começo, meio e fim, com bom prognóstico em primeira crise.
A sociedade hoje, não sabe mais ser triste. Temos sempre que estar sorrindo, felizes e de bem com a vida. As milhares de selfies no Facebook mostram isso claramente, até nas situações em que não há motivos para sorrir, lá está a indefectível foto do sorriso com a tragédia no fundo.
Não há nenhum problema em ficar triste. O luto é exatamente isso, um momento de tristeza, onde precisamos de um tempo para retomarmos a nossa vida diária, mas sempre aparece alguém com um “não fique assim”, “a vida continua”… claro que continua mas a pessoa precisa de um tempo.
Só que quando falamos em luto, todo mundo pensa no falecimento de alguém ou de um animalzinho querido, mas o luto também existe para a perda de um emprego, um evento qualquer que era esperado e não veio e muitas mais coisas.
Só que nessa nossa sociedade de hoje, não há tempo para isso. Não nos deixam ter nosso luto.

Sintomas de depressão

Pelo menos 5 dos sintomas abaixo, com intensidade moderada para grave são indícios que deve procurar ajuda de um especialista:
Avalie-se, onde 0 – sem o sintoma, 1 – intensidade levíssima, 2 – intensidade leve, 3 – intensidade moderada, 4 – intensidade grave e 5 – intensidade gravíssima.

Tristeza; Humor deprimido, que se caracteriza por desânimo persistente, baixa autoestima, sentimentos de inutilidade; Perda de interesse em atividades que antes a pessoa apreciava;
Mudança de apetite; Ganho ou perda de peso; Insônia; Dormir em excesso; Perda de energia ou fadiga acentuada; Movimentos físicos sem sentido, como apertar as mãos de forma constante e nervosa; Sentir-se sem esperança; Sentir-se culpado; Dificuldades para raciocinar, se concentrar ou tomar decisões; Pensamentos de morte ou suicídio; Irritabilidade, ansiedade e angústia; Necessidade de um grande esforço para fazer coisas que antes eram fáceis; Diminuição ou incapacidade de sentir alegria; Sentimentos de medo, insegurança, desespero, desamparo e vazio; Interpretação distorcida e negativa da realidade; Diminuição do desejo e do desempenho sexual; Dores e outros sintomas físicos sem uma causa aparente, como dores de barriga, azia, má digestão, diarréia, prisão de ventre, gases, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito.

Forma mais grave de DEPRESSÃO com ATO ou IDEAÇÃO SUICIDA
O que devemos perceber nos outros:
1- FALAR EM SUICÍDIO: Qualquer conversa sobre se matar, morrer ou se ferir. Frases como “eu desejaria não ter nascido”, “Se eu ver você de novo…”, “Preferia estar morto”.
2- PROCURAR MODOS LETAIS: A forma de acesso a armas, comprimidos, e outros objetos que podem ser usados.
3- ATENÇÃO COM A MORTE: Foco incomum em morte ou na sua evidencia, escrever poemas ou histórias sobre morte e entregar para alguém próximo ou da família.
4- SEM ESPERANÇA DE FUTURO: Sentimento de desesperança, sentimento de estar sem saída, crença em que as coisas nunca vão melhorar ou mudar.
5- AVERSÃO A SI: Sentimento de inutilidade, culpa, vergonha ou ódio de si mesmo. Sentir-se um fardo ou frases como ”Todos ficariam melhor sem mim”.
6- ORGANIZAR DETALHES: Fazer testamento, doar posses importantes, fazer arranjos para certos membros da família que ache menos favorecido.
7- DESPEDIDAS: Fazer visitas ou ligações incomuns para parentes ou amigos dizendo ADEUS, como se não fosse vê-los novamente.
8- AFASTAMENTO: Saída do convívio de familiares ou amigos, aumento do isolamento social e do desejo de ficar só.
9- COMPORTAMENTO AUTO-DEPRESSIVO: Uso intensificado de álcool e outras drogas, direção perigosa, relações sexuais sem proteção em grupos de risco, vivenciar riscos desnecessários.
10- ESTADO REPENTINO DE CALMA: Um momento inesperado de felicidade e calma após um período extremamente depressivo, pode indica que já houve a decisão de suicídio.